Baixar o Hino da Independência Origem Não foram ainda esclarecidos completamente todos os detalhes sobre o hino, chegando até a ser negada por alguns a autoria da música de Pedro I. É certo, porém, que o hino, tal como é cantado hoje, tem a música de autoria de Pedro I, assim como letra de Evaristo […]

Baixar o Hino da Independência


Origem

Não foram ainda esclarecidos completamente todos os detalhes sobre o hino, chegando até a ser negada por alguns a autoria da música de Pedro I. É certo, porém, que o hino, tal como é cantado hoje, tem a música de autoria de Pedro I, assim como letra de Evaristo da Veiga. A 16 de agosto de 1822 este escreveu os versos intitulados Hino Constitucional Brasiliense, que fez imprimir e ao qual depois foram feitos acréscimos e algumas modificações. A data da composição da música continua em dúvida (mas seria posterior a 7 de setembro de 1822), uma vez que nos primeiros tempos após a independência a música executada era a de Marcos Portugal (que também aproveitara versos de Evaristo da Veiga).

A música de autoria do imperador só passou a substituir o hino de Marcos Portugal a partir de 1824, sendo tocada pelo menos até 1831, posteriormente voltando a ser executado o de Marcos Portugal. Nas comemorações do centenário da independência, em 1922, voltou a ser executado, nessa ocasião, porém, não com a música que Pedro I havia escrito. Anos mais tarde, o então ministro da Educação, Gustavo Capanema, nomeou uma comissão composta por Villa-Lobos, Assis Republicano, Luís Heitor e Francisco Braga, para corrigirem os hinos brasileiros de acordo com os originais. Ressurgiu, então, o Hino da Independência, tal como foi escrito pelo imperador e Evaristo da Veiga, e como é conhecido hoje.

Letra

Letra: Evaristo da Veiga.
Música: D. Pedro I.

Já podeis, da Pátria filhos,
Ver contente a mãe gentil;
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá temor servil!
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.

Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil:
Houve mão mais poderosa,
Zombou deles o Brasil.

Brava gente, brasileira…
Não temais ímpias falanges
Que apresentam face hostil:
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.

Brava gente, brasileira…
Parabéns, ó Brasileiros!
Já com garbo juvenil,
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil.
Brava gente, brasileira!…

Compartilhe nas redes sociais!